Mundo

Guerra contra EI deixou 3.298 civis mortos no Iraque em 2017

AG Brasil

 

Pelo menos 3.298 civis morreram e outros 4.781 ficaram feridos no Iraque em 2017, sem contar os dados da província de Ambar (oeste), a última a ser libertada do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), informou nesta terça-feira  (2) a Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Em dezembro morreram 69 civis e outros 142 ficaram feridos, o que faz desse mês o menos sangrento desde o começo das estatísticas das Nações Unidas, em novembro de 2012.

 

A ONU advertiu em comunicado que essa estatística deve ser considerada como um "mínimo absoluto", já que não pôde verificar o número de mortes em certas áreas, entre elas as que estavam controladas pelos jihadistas.

 

No último dia 9 de dezembro, o primeiro-ministro iraquiano, Haider al Abadi, anunciou que o exército tinha retomado o controle da fronteira com a Síria, o último reduto do EI no país.

 

O grupo jihadista irrompeu no país em 2014 e conquistou amplas partes do norte, oeste e centro do Iraque, estendendo seus domínios até perto de Bagdá.

 

Ao longo de 2017 as forças iraquianas, com apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, arrebataram dos terroristas os últimos territórios que controlavam, entre eles a cidade de Mossul, capital da província de Ninawa, com cerca de dois milhões de habitantes.

 

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Galeria

Comentários

Publicidades

Mais Vistas

1

Bolsonaro amanhece com batom, maquiagem, brincos e colares em outdoor em São Carlos

2

Liquidação Fantástica levará milhões de pessoas ao Magazine Luiza nesta sexta-feira

3

Advogado é o primeiro deficiente visual a receber carteira da OAB em São Carlos

4

Novo Golf produzido no México começa a chegar às concessionárias Volkswagen no Brasil

5

Ganhadores do Oscar nas principais categorias